LIVE
SEARCH

Home Office: Davis (ODD/In Their Feelings)

Neste sábado (28/3), às 19h, entra no ar o quarto episódio do “Home Office”, uma iniciativa para manter no ar a programação musical. Desta vez, os artistas farão a transmissão digital a partir de suas casas, para evitar deslocamento e contato direto com outras pessoas. Por causa da proliferação do Covid-19, a Veneno optou encerrar temporariamente as gravações feitas no estúdio da rádio. Ao mesmo tempo, continuam abertas as contribuições online para auxílio aos artistas, que dividem semanalmente os valores doados através do nosso site.

Quem comanda projeto neste final de semana é o DJ e produtor Davis, um dos mentores da festa ODD, ao lado de Márcio Vermelho e Pedro Zopelar. Ele também encabeça o selo In Their Feelings e trocou ideia sobre esse período de quarentena e criatividade.

Veneno: Como você está encarando a pausa da quarentena? Existem planos de novos projetos?
Davis: No início eu estava apreensivo, mas hoje me sinto confiante. Tenho aproveitado o tempo livre para repensar a vida de forma mais ampla. Busco não viver no medo, não tomar decisões baseadas no medo e, principalmente, sigo na busca por alternativas para cuidar da minha saúde física e emocional.
Sinceramente, apesar do meu otimismo, eu não vejo uma cura no curto prazo. Mas imagino que temos a grande chance de aprender com o saldo de toda essa crise e reinventar tudo do zero, quando o vírus estiver sob controle.
É nesse momento que reside meu maior otimismo, acredito que podemos apresentar um sistema melhor, com mais respeito pela vida, pelo trabalho e as condições humanas.
Bem, falando sobre os projetos novos posso dizer que essa pausa me deu uma chance de mudar a forma de me expressar artisticamente e de me comunicar, (re)transmitir informações e propagar conhecimento de forma inovadora.
Tenho gravado muitas coisas novas, novas sonoridades, estilos musicais menos presentes nos meus lançamentos, como Leftfield, Jungle e Rock. Estou ansioso para compartilhar isso com vocês.

Veneno: Como você avalia que serão os maiores efeitos e as mudanças oriundas dessa quarentena na cena eletrônica?
Davis: De novo com otimismo, posso dizer que somos resistentes, nos adaptamos às dificuldades, e esperaremos o tempo certo para voltar a fazer negócios no mundo da música como de costume.

Essa pausa na correria por conta da pandemia, nos mostra que não estamos no controle do mundo como achamos, fica claro que a tomada de decisão não está em nossas mãos (e nunca esteve), a velocidade das coisas mudou de ritmo (como muitos nunca vivenciaram). Criou-se um ritmo que parece assustador, pois não estamos mais acostumados a fazer as coisas sem pressa exacerbada, mas não é assustador. Essa desaceleração, se quisermos, vai nos devolver parte da sanidade, vamos poder fazer nossas coisas sem pressa, vamos aprender a esperar por respostas e, principalmente, vamos desenvolver maior sensibilidade entre nós (caminharemos como mais amor), apresentaremos maior habilidade de improvisação e maior poder de criatividade.  Enquanto isso, nós devemos pautar nossas demandas e discutir com o Poder Público e a sociedade sobre a importância da nossa existência, sobre a manutenção dos postos de trabalhos, etc. E, principalmente, nestes tempos obscuros reafirmar sobre a importância da arte no atual contexto – há tempos ela denuncia as barbáries e os excessos de uma sociedade doente.

Veneno: Como anda a curadoria da ODDiscos e da In Their Feelings?

Davis: Hoje ela acontece de forma muito orgânica, todes envolvidos no selo apresentam novos artistas musicais e visuais também. Cada um de nós, dentro de nossas limitações de tempo, acompanha o que tá rolando de novo na produção nacional e compartilha com entusiasmo cada descoberta. Trabalhamos para ver a ODDiscos bastante focada na música de pista, imaginamos as faixas sendo tocadas em nossas pistas.
Enquanto isso o selo In Their Feelings está focado em música de forma mais ampla. Hoje, temos uma fusão contemporânea entre diversos estilos (R&B, Funk, Trap, Bossa, House, Disco, etc).

Veneno: Quais os planos de lançamentos dos selos para este ano?
Davis: Na ITF nosso foco está no lançamento do álbum do L’Homme Statue programado para muito em breve. Já na ODDiscos estamos na pré-venda do álbum do Radioworkers (Zopelar, Martinelli e Benja) e programando o lançamento do álbum da Ju Frontinn para daqui algumas semanas, que tá muito foda! Acredito que vamos ter uma compilação no intervalo de tempo entre esses dois lançamentos.

No meio de todo esse caos, continuamos trabalhando para deixar o mundo mais divertido e bonito por meio da música. Gostaria de pedir o apoio de toda galera que ama dançar, tocar, ouvir música em casa para comprar nossas faixas no oddiscos.bandcamp.com e intheirfeelings.bandcamp.com … toda nossa discografia está com desconto no site.

Conto com vocês e bora se divertir um pouco! Sábado vou transmitir ao vivo aqui de casa, a partir das 19hrs, sem hora pra acabar.